AVALIAÇÃO DA TOXICIDADE ORAL DA FARINHA DE LICHIA EM RATAS WISTAR

Célia Cristiana Araujo Garcia, Virgínia Souza Santos, Martha Elisa Ferreira Almeida, José Antonio de Souza Cruz Ramos, Thalita Riquelme Augusto

Resumo


RESUMO

A necessidade de alimentos saudáveis a um baixo preço é crescente, principalmente para o controle do excesso de peso, que é uma epidemia mundial. A lichia é uma fruta considerada como um alimento funcional, pois combate e previne a obesidade. Este trabalho teve como objetivo avaliar a toxicidade oral aguda da farinha de lichia em ratas Wistar. Para o preparo da farinha sanitizou-se as lichias, e suas frações (casca, polpa e semente) foram desidratadas a 55 ºC. As ratas foram divididas em três grupos: grupo controle (C) que recebeu, via gavagem, apenas água mineral, e nos demais grupos (F300 e F2000) este procedimento foi realizado com leite semidesnatado adicionado da farinha de lichia (casca, polpa e semente) nas doses de 300 e 2000 mg∙kg-1 de peso corporal. Realizou-se a análise toxicológica, mediante um screening toxicológico, e dos dados morfométricos (peso corporal e dos órgãos). Os dados morfométricos foram analisados pelo teste de Kruskal-Wallis a uma significância de 5%. Não houve diferença estatística entre os grupos quanto os parâmetros morfométricos avaliados. Nenhuma rata veio a óbito e nem apresentou intoxicação aguda proveniente da farinha. Concluiu-se que a farinha das três frações desta fruta não apresentou toxicidade oral aguda em ratas, e estava apta para ser avaliada em estudos com seres humanos.

 

EVALUATION OF ACUTE ORAL TOXICITY CAUSED BY LYCHEE FLOUR IN FEMALE WISTAR RATS

ABSTRACT

The need for healthy food at a low price is increasing, especially for the control of overweight, which is a worldwide epidermis. The lychee is considered a functional food to combat and prevent obesity. This study aimed to evaluate the acute oral toxicity of lychee meal in Wistar rats. To prepare the lychee flour the fruits was sanitized and separated in peel, pulp and seed afterward dehydrated at 55 ºC. The rats was separated in three groups: control (C) which was treated only with mineral water by gavage; and the groups (F300 and F2000) were treated with semi-skimmed milk added to lychee flour (peel, pulp and seed) at the rates 300 and 2000 mg∙kg-1 based on body weight. The toxicological analysis was realized based on a toxicology screening and morphometric results (body and organ weight). The morphometric results were analyzed by Kruskal-Wallis test at 5%. There was no statistical difference between the groups regarding the evaluated morphometric parameters. None rat died and no had acute intoxication. It was possible to conclude that the lychee flour in the studied concentrations didn't show acute oral toxicity in rats and may be assessed in human studies.


Palavras-chave


ensaio toxicológico; Litchi chinensis; parâmetros morfométricos.

Texto completo:

PDF

Referências


(1) CHANG, Y-Y.; YANG, D-J.; CHIU, C-H.; LIN, Y-L.; CHEN, Jr-W.; CHEN, Y-C. Antioxidative and anti-inflammatory effects of polyphenol-rich litchi (Litchi chinensis Sonn.)-flower-water-extract on livers of high-fat-diet fed hamsters. Journal of Functional Foods, v. 5, n.1, p. 44-52, 2013.

(2) SIRIWARDHANA, N.; KALUPAHANA, N. S.; CEKANOVA, M.; LEMIEUX, M.; GREER, B.; MOUSTAID-MOUSSA, N. Modulation of adipose tissue inflammation by bioactive food compounds. Journal of Nutritional Biochemistry, v. 24, n. 6, p. 613-623, 2013.

(3) IDEAL. Lichial. 2012. Disponível em: . Acesso em: 09 jan. 2015.

(4) WANG, H-C.; HU, Z-Q.; WANG, Y.; CHEN, H-B.; HUANG, X-M. Phenolic compounds and the antioxidant activites in litchi pericarp: difference among cultivars. Scientia Horticulturae, v. 129, n. 4, p. 784-789, 2011.

(5) LI, W.; LIANG, H.; ZHANG, M. W.; ZHANG, R. F.; DENG, Y. Y.; WEI, Z. C.; ZHANG, Y.; TANG, X. J. Phenolic profiles and antioxidant activity of litchi (Litchi chinensis Sonn.) fruit pericarp from different commercially available cultivars. Journal Molecules, v. 17, n. 12, p. 14954-14967, 2012.

(6) LIRA, F. A. S.; BRASILEIRO-SANTOS, M. S.; BORBA, V. V. L.; COSTA, M. J. C.; DANTAS, P. R. O. F.; SANTOS, A. C. Influência da vitamina C na modulação autonômica cardíaca no repouso e durante o exercício isométrico em crianças obesas. Revista Brasileira Saúde Maternidade Infantil, v. 12, n. 3, p. 259-267, 2012.

(7) SICHIERI, R.; COITINHO, D. C.; MONTEIRO, J. B.; COUTINHO, W. F. Recomendações de alimentação e nutrição saudável para a população brasileira. Arquivo Brasileiro de Endocrinologia e Metabolismo, v. 44, n. 3, p. 227-32, 2000.

(8) HOJO, E. T. D. Aplicação de métodos combinados na conservação da qualidade de Lichias ‘Bengal’. 2010. 120 f. Tese (Doutorado em Agronomia) - Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias - Unesp, Campus Jaboticabal, São Paulo, 2010.

(9) SACHETTI, C. G. Avaliação toxicológica do óleo-resina de copaíba em ratos: estudos de toxicidade agura, neurotoxicidade e embriofetotoxicidade. 2010. 91 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde). Universidade de Brasília, Brasília, 2010.

(10) ORGANISATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT (OECD). Guidelines for the Testing of Chemicals, OECD 420. Acute oral toxicity-fixed dose procedure. Organisation for Economic Cooperation and Development, Paris, 2001.

(11) LUCIO, E. M. R.; ROSALEN, P. L.; SHARAPIN, N.; SOUZA BRITO, A. R. M. Avaliação toxicológica aguda e screening hipocrático da episopilosina, alcalóide secundário de Pilocarpus microphyllus Stapf. Revista Brasileira de Farmacognosia, v. 9-10, n. 1, p. 23-35, 2000.

(12) BRASIL. Resolução no 1.000, de 11 de maio de 2012 – CFMV. Procedimentos e métodos de eutanásia em animais. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 17 maio. 2012.

(13) BRASIL. Resolução no 301, de 8 de dezembro de 2012. Procedimentos de captura, contenção, marcação, soltura e coleta de animais vertebrados in situ e ex situ. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, sessão 1, 28 dez. 2012. Disponível em: . Acesso em: 09 jan. 2015.

(14) PUCCI, L. L.; CUNHA, L. C.; TRESVENZOL, L. M.; PAULA, J. R.; BOZINIS, M. C. V.; FREITAS, P. C. M. Avaliação da toxicidade aguda oral e da atividade diurética da Rudgea viburnoides (Cham.) Benth. (congonha-de-bugre). Latin American Journal of Pharmacy, v. 29, n.1 p. 30-37, 2010.

(15) SACHETTI, C. G.; FASCINELI, M. L.; SAMPAIO, J. A.; LAMEIRA, O. A.; CALDAS, E. D. Avaliação da toxicidade aguda e potencial neurotóxico do óleo-resina de copaíba (Copaifera reticulata Ducke, Fabaceae). Revista Brasileira Farmacognosia, v. 19, n. 4, p. 937-941, 2009.

(16) GONÇALVES, N. Z. Avaliação da toxicidade oral aguda e atividade diurética de Celtis iguanaea (jacq.) Sargent. 2011. 68 f. Dissertação (Mestre em Ciências Farmacêuticas) - Faculdade de Farmácia da Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2011.




   

 

 

 

Licença Creative Commons
SaBios-Revista de Saúde e Biologia está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.